681818171876702
Loading...

Código Herético-Penal



Infâme Herege Relator

Teo Victor - Suplente de assistente de deputado nomeado por ato secreto


Institui a persecução penal no âmbito espiritual e eclesiástico.



Art. 1º – Todo pecado, heresia e blasfêmia, com proibição já existente ou ad hoc, será punido nos termos e interpretações deste código.

Art. 2º – Determinação posterior que deixe de definir o fato como pecado, heresia ou blasfêmia retroagirá para condenar aqueles que antes consideravam tal conduta como afronta espiritual.

Art. 3º – Arrependimento e perdão não impedem a aplicação da pena.

Art. 4º – O desconhecimento da proibição é inescusável.

Art. 5º – Aplicar-se-ão as seguintes penas em espécie:

I – Advertência verbal, para pecados leves;

II – Repreensão em púlpito, para pecados moderados e heresias leves;

III – Disciplina, para pecados severos e heresias;

IV – Restrição ao exercício de atividades ministeriais, para pecados severos e heresias;

V – Exclusão, para pecados imperdoáveis e blasfêmia.

§1º – De acordo com a demanda e o interesse local, o rol de penas deste artigo poderá ser estendido caso a caso.

§2º – A atribuição de penas a infrações específicas pode ser desconsiderada de acordo com a convicção do ministro


Das infrações em espécie

Tocar no ungido

Art. 6º – Questionar atitude de ungido ao ministério, zombar ou desacreditar alguém instituído para cargo eclesiástico.

Pena – Repreensão de púlpito.

§1º – A pena aplicada será a disciplina se a infração é cometida contra:

Toque qualificado
I – Apóstolo;

II – Bispo;

III – Cantor gospel ou ministério de adoração

Comunhão com o mundo

Art. 7º – Envolver-se com pessoas, música ou cultura secular, de acordo com a definição vigente.

Pena – Disciplina.

Fornicação

Art. 8º – Envolver-se em qualquer ato libidinoso antes do casamento, de acordo com a definição do ministro local.

Pena – Exclusão, e proibição de exercer atividades ministeriais até o casamento de fato.

Adultério

Art. 9º – Pular os marcos divisórios de madeira da propriedade alheia.

Pena – Exclusão, e proibição de exercer atividades ministeriais enquanto o mar for azul.

§1º – O ministro infrator deste artigo será enviado, pelo ministro dominante, para o inferno, sem prejuízo das demais sanções cabíveis.

Roubo
Art. 10º – Separar quantia menor que a décima parte dos rendimentos líquidos mensais, ou sonegar-lhe na totalidade.

Pena – Repreensão de púlpito, e visita do gafanhoto devorador.

§1º – Deixa-se de aplicar a pena se o infrator restitui o que não é dele.

Abandono

Art. 11º – Deixar de comparecer às atividades locais por tempo aleatório estabelecido pelo ministro.

Pena – Exclusão.

§1º – A pena não será aplicada se a contribuição mencionada no artigo anterior for regular durante o período de abandono.




***
Fonte: Mesa do Senado, digo Bicho de Rondônia


 
Apologética 9102537334361007236

Postar um comentário

  1. Gostei dos complementos, hehe. "Infame herege relator". Detalhe que o suplente de assessor de deputado, se nomeado por ato secreto, ganha mais que juiz...

    ResponderExcluir
  2. Fala sério, isso tudo que o cara falou é verdade?
    Tô no sal com limão, sem direito a açucar ou mel.

    ResponderExcluir
  3. Eta mundão cheio de complicaçao só.Cruis credo!!!

    ResponderExcluir
  4. Esse código está em vigor em muitas denominações.
    Só que com penas mais severas e parciais.

    ResponderExcluir
  5. Ahahahahahaha... Ri demais dessa parte aqui!

    "Pena – Repreensão de púlpito, e visita do gafanhoto devorador."

    Que visita incoveniente essa hein... Rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Parabéns, Danilo! O seu talento e a agudeza em sua visão são inegáveis. Melhor é quando descobrimos que seus colaboradores mantém o nível. Obrigado por ter visitado o meu blog e assim pude descobrir o seu. Não apenas fiz um link direto do meu blog ao seu, como tenho recomendado o seu blog a muita gente. As pessoas precisam saber das denúncias e outros conteúdos do seu trabalho. Leio o seu blog praticamente todos os dias. Abração!

    ResponderExcluir
  7. Tem umas coisas que gostaria de comentar (prepare-se :D):

    1. O artigo 6º não protege o pastor local, aquele que zela pela alma do fiel (os telepastores não zelam por essas almas). Ou seja, segundo o artigo, é permitido o questionamento, crítica e zombaria ao seu pastor local.
    2. O artigo 9º não tem força de lei nas ilhas do Caribe (onde o mar é verde) e no espaço marítimo entre o Canal de Suez e o Golfo de Áden (o Mar é Vermelho). Pelo mesmo motivo, o mesmo artigo não tem força de lei no Mar Negro e no Mar Branco (favor procurar um atlas ou o Google Maps/Earth para conferir a posição destes locais).
    3. O parágrafo 1º do artigo 10º, bem como o próprio caput deste artigo, faz vista grossa à participação do fiel tanto em sorteios, bingos e loterias (inclusive a contravenção penal chamada jogo do bicho), quanto em comercialização de entorpecentes, bebidas alcoólicas, cigarros e produtos de sex shop, desde que a décima parte do prêmio ou do dinheiro conseguido na comercialização dos produtos acima citados seja devidamente depositada a título de dízimo. Não está prevista, neste diploma espiritual-corporativo-legal, qualquer punição a eventuais ou frequentes participantes de tais métodos de obtenção de dinheiro fácil.

    ResponderExcluir
  8. kkkkkkkkkkk....se isso cair nas mãos erradas tamo lascado mermU....kkkk

    Parabéns Genizah...Show de bola!

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Comente usando a sua conta Google ou use a outra aba e comente com o perfil do Facebook

emo-but-icon

Página inicial item