681818171876702
Loading...

DINOSSAUROS E OUTROS BICHOS ESTRANHOS NA BÍBLIA


Muitos são os questionamentos quando tratamos desse assunto à luz da Palavra de Deus, porque devido as falsas teorias muitas pessoas têm se sentido inseguras e receosas em associar o estudo dos dinossauros com a Bíblia, porém o fato de realizar-se tal estudo não implica de forma alguma em colocar a teoria evolucionista em acordo com a Bíblia.

Devemos ter em mente que os dinossauros, são ou foram animais que, em geral, diferem das outras espécies principalmente pela sua estatura elevada, lembrando ainda que existem alguns dinossauros pequenos, do tamanho aproximado de um coelho.

Devemos olhar para a Palavra de Deus com o coração quebrantado e então veremos o Deus Criador de todas as coisas revelar-se com poder e majestade. Começaremos, então, a ver a eterna soberania que possui o Deus que servimos.

Na biologia os dinossauros são classificados com répteis, sendo assim Gn 1: 24 – 25 declara:

“Disse também Deus: Produza a terra seres viventes, conforme a sua espécie: animais domésticos, répteis e animais selváticos, segundo a sua espécie. E assim se fez.

Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança, tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra.”

Contudo, muitas pessoas têm afirmado que a Bíblia não fala sobre dinossauros, pois tal palavra não encontra-se nas Sagradas Escrituras.

Essa questão é respondida quando estudamos a origem do termo dinossauro que só veio a ser inventado em 1841, pelo médico inglês Gideon Mantell, que encontrou ossos e dentes de um grande animal, que ele achou semelhante aos de uma iguana, denominando-o de Iguanodon (“dente de Iguana”). Posteriormente, dois enormes fósseis foram encontrados na Inglaterra, o de um Megalosaurus e o de um Hylaeosaurus. Apenas em 1841 receberam um nome para seu grupo.

Atualmente são catalogados cerca de 2000 espécies diferentes, divididas em 650 gêneros, e são descobertos em média 12 novas espécies por ano.

Apesar do termo “dinossauro’ só ser inventado em 1841, esse animal sempre existiu independente do nome que viesse a receber: monstro, dragão, criatura, dinossauro etc.

A versão inglesa da Bíblia – Rei James (Tiago) – KJV (King James Version) escrita em 1611 já falava a respeito dos grandes animais, que posteriormente viemos a chamar de dinossauros.

Partindo da certeza que os dinossauros fazem parte da criação de Deus, devemos deduzir que a Palavra de Deus – Bíblia – também deve relatar algo a respeito.

Os principais textos bíblicos que citam tais animais são:

- Jó 40 – 41
- Sl 74:13 – 17; 104:26
- Is 27:1
- Jó 40: 15 – 24

Devemos observar que Deus, ao falar com Jó, estava demonstrando seu infinito poder e majestade e para isso utilizou um exemplo que era bem familiar a Jó, para que ele pudesse ter um ponto de referência para compreender o que Deus estava falando.

v.15 – hipopótamo

A palavra aqui utilizada, no original (hebraico), é Behemoth e não hipopótamo.

Ao observarmos as características físicas desse animal concluiremos que se trata de outro ser que não o hipopótamo.

v.16 – 17

A descrição bíblica indica que o animal possuía uma cauda grande e potente, pois é comparada com o cedro – árvore alta forte e resistente. Se um hipopótamo, ou mesmo um elefante, possuísse uma cauda como é descrito no v.17 seriam bem diferentes do que conhecemos hoje.

v.20, 23

A declaração é que tal animal se alimentava em lugares altos, diferente do hipopótamo e do elefante.

Juntamente com o v.23 concluímos que se trata de um animal muito grande e pesado, pois não se alarma com enchentes, mesmo de um rio como o Jordão, com um considerável volume de águas.

Ao observarmos a descrição de tal animal, feita por Deus, destacamos ainda a afirmação feita pelo Senhor que assim como Ele criou a Jó (homem) também criou tal animal – Jó 40:15: “que eu criei contigo” e Jó 40:19: “Ele é obra-prima dos feitos de Deus”.

Algumas versões traduzem tal animal como hipopótamo, porém o hipopótamo não é encontrado na região geográfica que descreve esse acontecimento bíblico.

Segundo alguns pesquisadores esse animal é identificado, hoje, com o Braquiossauro, porém não temos certeza se é realmente tal animal ou outra espécie.

- Jó 41

Estaremos observando os principais versículos contidos nesse capítulo, onde iremos observar que o animal aqui descrito não se trata de um crocodilo ou jacaré.

v.1

A palavra utilizada no original (hebraico) não é crocodilo, mas sim Leviathan.

Faz-se menção acerca de travar a língua do crocodilo com uma corda, porém o crocodilo, assim como o jacaré, não possui uma língua solta, mas presa à parte inferior de sua boca.

Deus continua sua explanação com Jó descrevendo de forma detalhada as características físicas de tal animal.

v.18,19,20,21,31,32

Nesses versículos encontramos a afirmação de que o Leviathan, aos olhos humanos, cuspia fogo. Seria isso possível?

O fato é que essa informação tem feito com que muitas pessoas passassem a afirmar que o texto utiliza uma linguagem figurada, pois não existe animal que ‘cuspa fogo’.

Muitas pessoas, como já falamos, por falta de informação fazem afirmações que terminam por comprometer a veracidade e infalibilidade da Bíblia.

Alguns contestam o fato alegando ser impossível um animal realizar tal ação, contudo esquecem-se que outros animais produzem energia como o peixe elétrico e outros luz como algumas espécies de animais marinhos e o ‘vaga-lume’.

Em casos como esses, alguns cientistas se colocam como omissos, conhecendo a verdade todavia escondendo-a da população, pois tais informações irão desmoronar suas teorias e comprovar os relatos bíblicos.

Sabemos da existência de um besouro conhecido por alguns como besouro bombardeiro ou escaravelho – bombardier beetle.

Esse animal possui em seu interior um sistema de ‘bolsas’ que é capaz de armazenar substâncias inflamáveis como a hidroquinona e peróxido de hidrogênio que ao entrar em contato com o ambiente inflama.

Esse besouro utiliza esse recurso para defesa e ao observarmos temos a impressão que o animal está expelindo fogo de seu corpo.

Esse recurso é bem eficiente na defesa do besouro, já que o produto inflamável está a uma temperatura de 212°F (100°C) e é protegido pelo uso de um inibidor natural, não prejudicando o seu portador.

Essa informação não seria tão interessante se não fosse pelo fato de três animais pré-históricos (dinossauros) terem sido encontrados com características semelhantes às do bombardier beetle. Tais animais são o Kronossauro e o Hadrossauro e o Plesiossauro.

Ao estudar-se a estrutura craniana do Hadrossauro, constatou-se que o seu crânio possuía órgãos, bexigas e câmaras bem semelhantes às do besouro, permitindo que o Hadrossauro (Hadrossaur parasaurolophus) não só criasse, mas armazenasse e lançasse produtos químicos inflamáveis para proteger-se, ou atacar, sem queimar-se ou machucar-se.

Esse animal pode perfeitamente ser o dragão citado nas histórias de várias civilizações, e que ao longo dos anos passaram a exagerar nos relatos, ingressando-o na categoria de contos mitológicos.

O que sabemos de real é que tal animal existiu, foi relatado na Bíblia e também fez parte da Criação de Deus.

Se um animal pequeno pode produzir produtos químicos inflamáveis a uma temperatura de 100°C e não queimar-se, nada impede que um animal de grande porte com características imensamente semelhantes também o fizesse.

v.22

É destacado que a força desse animal reside no pescoço, porém a força de um crocodilo reside na cauda e na mandíbula, não no pescoço.

Mais uma vez percebemos que tal animal não é um crocodilo ou jacaré.

v.26-29

As características físicas do animal demonstram que ele possui uma resistência física bem superior a qualquer crocodilo, mesmo os pré-históricos já encontrados.

v.30

Sabemos que o ventre dos crocodilos são lisos e não possuem escamas pontiagudas como observamos no relato bíblico.

O Leviathan possuía escamas pontiagudas no ventre.

v.33,34

Ao observarmos a descrição do tamanho do animal percebemos que o mesmo é de grande porte, pois “olha com desprezo tudo o que é alto”. Ao contrário dos crocodilos que, dependendo da espécie, podem chegar a 5 metros ou mais de ‘comprimento’ e não de altura, tais animais eram muito altos.

Em geral, os crocodilos são baixos e não altos como descreve o texto bíblico.

- Sl 74:13-17

O animal aqui citado trata-se do Leviathan, que possui as mesmas características do animal em Jó 40.

- Sl 104:26

Ao observarmos o contexto do capítulo 104 iremos observar que o salmista referia-se a coisas reais, como animais grandes e pequenos e o monstro marinho – Leviathan.



Fonte: Texto de Robson Tavares Fernandes. Membro da Igreja Batista da Graça (Campina Grande – PB) e bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional). Diretor e professor do CBA (Curso Básico de Apologética), e pesquisador da VINACC (Visão Nacional para a Consciência Cristã) e palestrante.







Matérias 6229424916880587477

Postar um comentário

  1. Parabens pela matéria!!!! tenho 41 anos e até hoje nunca tinha lido uma explicação tão boa quanto essa.
    Vou passar para a minha classe de adolescentes na escola bíblica dominical.

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto. Realmente o medo nos impede de testemunhar com clareza a respeito de muitos fatos . Muitos assuntos são deixados de lado e esquecidos pela maioria dos cristãos. Este assunto é muito importante , principalmente se explorado a luz da curiosidade infantil. Podemos e devemos despertar uma nova geração , comprometida com a integridade e totalidade da palavra . Para isso precisamos de tais conteúdos. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. excelente texto!

    muitas informações interessantes e importantes.

    abs, apz.

    do blog Desafiando Limites

    ResponderExcluir
  4. Excelente matéria. Participei de um Congresso realizado pela Editora Fiel com um cientista criacionista (crente), Professor Adauto Lourenço, (site www.universocriacionista.com.br), sobre os dinossauros do ponto de vista bíblico e ficou muito claro que, diferente teoria evolucionista, eles são contemporâneos às todas as demais criaturas do evento de Gênesis.
    Abraços, Genizah!
    Marcelo
    www.estaentrenos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. OTIMO ESTUDO E BEM EXPLICADO!

    ResponderExcluir
  6. Texto muito interessante, parabéns!
    Apenas sugiro que o autor do texto citasse as referências bibliográficas científicas sobre as tais características de dinossauros que provavelmente cuspiriam fogo ("...Kronossauro e o Hadrossauro e o Plesiossauro."). Por mais que tenhamos boa fé e grande estima em relação aos irmãos desse blog, fica difícil de acreditar em algo sem referências científicas válidas, "peer review". Acho interessante a colocação feita que "dinossauros" não são apenas T-rex, mas uma gama enorme de espécies sendo que alguns deles ainda habitam entre nós como iguanas, jacarés e crocodilos. Creio que a Bíblia não deve ser objeto de base científica para provar ou refutar nada cientificamente falando porque esse não foi o objetivo para a qual foi escrita apesar de textos como o de Jó podem dar uma possível idéia sobre o assunto. Não são prova científica porque não são passíveis de análise empírica, mas são muito interessantes de serem analisadas pelos que creem. Sugiro que o blog comentasse sobre o tema Criacionistas x Evolucionistas refletindo sobre a luz da Palavra e a Epistemologia, por exemplo... Só uma sugestão. Parabéns ao blog por abrir esse assunto! Gosto muito dos textos de vocês! Paz!

    ResponderExcluir
  7. MEUS PARABÉNS!
    EXCELENTE TEXTO, MUITO ESLARECEDOR.

    www.deondeeoteureino.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. desculpe,
    mas para escrever sobre o assunto estas pessoas devem se aprofundar muito mais na cultura hebraica do que o fazem.
    estes textos tem a ver com a religião pagã de sua época, são registros das divindades dos povos de onde se origina a literatura, nao tem nada a ver com dinossauro.
    então Jó e o salmista eram homens da caverna?
    na realidade eles nao tinham noção nenhuma de algum animal pré-histórico, e sim eram influenciados pela cultura da época.

    está na hora dos professores de teologia que andam ensinando por aí se especializarem, para nao ficarem falando tanta besteira.

    Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  9. Concordo um pouco com o diego marcell - Pelo que já li, e não sou um profundo estudioso desse assunto, os animais são pré-históricos, muito com milhões de anos, ou seja, bem antes de Adão, Jó e o salmista. Já ouvi relatos de que o que destruiu os dinossauros foi a queda de lúcifer e seus anjos, que caíram como raios/meteoros sobre a terra e por isso os levou a extinção destes animais, se isso realmente ocorreu(me parece razoável) foi antes mesmo de Adão.

    ResponderExcluir
  10. Ao autor do texto, a quem o publicou (me parece que foram duas pessoas diferentes) e ao Danilo:

    Um erro crasso que observo quando se mistura religião com ciência é a adoção seletiva de informação. Ora, os dados científicos que foram utilizados pelo autor são válidos desde que (ao serem devidamente distorcidos, claro) atendam ao objetivo do mesmo. Esclareçamos:

    1) existem mais de 500 espécies de coleópteros "bombardeiros", não uma só, como sugerido;
    2) apesar da reação dos produtos lançados pelo besouro ser bastante exotérmica, não há fogo (lembre-se que a água entra em ebulição aos 100°C, nem por isso pega fogo, heheheh), a reação entre o peróxido de hidrogênio (também conhecido como água oxigenada) e hidroquinona não gera fogo, apenas solução aquosa de quinona em ebulição (não inflamável nessa temperatura), conforme a reação a seguir: C6H6O2(aq)+H2O2(aq)--->C6H4O2(aq)+H2O(l) DH° 204 kJ/mol;
    3) dos 'dinos" referidos nesse texto - Kronossauro, Plesiossauro e Hadrossauro - apenas o último foi terrestre. Os outros foram animais marítimos (fogo dentro dágua? - apenas com elementos muito específicos);
    3) a sua assertiva: "... animal de grande porte com características imensamente semelhantes também o fizesse" é inválida. Animais com exoesqueletos (artrópodes, no caso) possuem características absurdamente diferentes de animais chordatos (com esqueletos e coluna vertebral internos);
    4) se o autor aceita o que a ciência diz sobre os "dinos", como explicar fósseis de milhões de anos? Ou só é válida a parte que não entra em contradição com aquilo que o autor acredita?

    Danilo: em diversos posts seus, você diz que temos que ter uma atitude bereiana em tudo que lemos, vemos e ouvimos. Convido a ti, então, a ter essa mesma atitude em relação ao que é postado e divulgado em seu site, afim de não prestar um desserviço à sociedade.

    fontes:
    http://diariodebiologia.com/2010/09/besouro-bombardeiro-o-unico-animal-capaz-de-produzir-uma-bomba/#.U9vEP-NdW1w
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Cronosaurus
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Plesiosauria
    http://cienciahoje.uol.com.br/galeria/dinossauros-bico-de-pato
    http://www.agracadaquimica.com.br/index.php?acao=quimica/ms2&i=9&id=465


    Abraço e Paz.

    ResponderExcluir
  11. (Agora com as devidas correções de português, hehehe)

    Ao autor do texto, a quem o publicou (me parece que foram duas pessoas diferentes) e ao Danilo:

    Um erro crasso que observo quando se mistura religião com ciência é a adoção seletiva de informação. Ora, os dados científicos que foram utilizados pelo autor são válidos desde que (ao serem devidamente distorcidos, claro) atendam ao objetivo do mesmo. Esclareçamos:

    1) existem mais de 500 espécies de coleópteros "bombardeiros", não uma só, como sugerido;
    2) apesar da reação dos produtos lançados pelo besouro ser bastante exotérmica, não há fogo (lembre-se que a água entra em ebulição aos 100°C, nem por isso pega fogo, heheheh), a reação entre o peróxido de hidrogênio (também conhecido como água oxigenada) e hidroquinona não gera fogo, apenas solução aquosa de quinona em ebulição (não inflamável nessa temperatura), conforme a reação a seguir: C6H6O2(aq)+H2O2(aq)--->C6H4O2(aq)+H2O(l) DH° 204 kJ/mol;
    3) dos 'dinos" referidos nesse texto - Kronossauro, Plesiossauro e Hadrossauro - apenas o último foi terrestre. Os outros foram animais marinhos (fogo dentro dágua? - apenas com elementos muito específicos);
    3) a sua assertiva: "... animal de grande porte com características imensamente semelhantes também o fizesse" é inválida. Animais com exoesqueletos (artrópodes, no caso) possuem características absurdamente diferentes de animais chordatos (com esqueletos e coluna vertebral internos);
    4) se o autor aceita o que a ciência diz sobre os "dinos", como explicar fósseis de milhões de anos? Ou só é válida a parte que não entra em contradição com aquilo que o autor acredita?

    Danilo: em diversos posts seus, você diz que temos que ter uma atitude bereiana em tudo que lemos, vemos e ouvimos. Convido a ti, então, a ter essa mesma atitude em relação ao que é postado e divulgado em seu site, afim de não prestar um desserviço à sociedade.

    fontes:
    http://diariodebiologia.com/2010/09/besouro-bombardeiro-o-unico-animal-capaz-de-produzir-uma-bomba/#.U9vEP-NdW1w
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Cronosaurus
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Plesiosauria
    http://cienciahoje.uol.com.br/galeria/dinossauros-bico-de-pato
    http://www.agracadaquimica.com.br/index.php?acao=quimica/ms2&i=9&id=465


    Abraço e Paz.

    ResponderExcluir
  12. E complementando minha resposta anterior, lembro que de arqueologia o texto publicado pelo Sr. Robson Tavares Fernandes. Membro da Igreja Batista da Graça (Campina Grande – PB) e bacharel em Teologia pelo STEC (Seminário Teológico Evangélico Congregacional). Diretor e professor do CBA (Curso Básico de Apologética), e pesquisador da VINACC (Visão Nacional para a Consciência Cristã) e palestrante, não tem nada de arqueologia. A arqueologia é uma ciência séria, baseada em fatos demonstráveis e não em achismos e outros "ismos".
    Infelizmente (triste ter que usar tanto essa palavra) argumentos falaciosos como os trazidos pelo Sr. Robson não passam de uma tentativa, espero que inconsciente, de se fazer conhecedor de um determinado assunto. Mais triste ainda é perceber, observando os comentários em relação ao post, que as pessoas não procuram um momento sequer confirmar ou refutar as alegações dadas pelo autor.
    É comum e notório, dentro do meio evangélico, a falta total de conhecimento acadêmico-científico e até, pior ainda, desprezo manifesto pela ciência. Daí, quando algum autor (talvez auto intitulado como pesquisador) e com carimbinho "evangélico da denominação XPTO", se sente intelectual e diz algo pseudocientífico, muita gente aceita o que é dito como sendo verdade. Caros irmãos... Exorto a todos a serem realmente bereianos... Vamos pesquisar, ler, estudar e destrinchar um assunto fazendo uso de fontes acadêmicas confiáveis...
    Chega de cair no engodo... Chega de estupidez...

    ResponderExcluir
  13. A fotografia da aura Litaurica "mostra" como anda a situação espiritual áurica de quem a tira.
    A pessoa procura o que precisa. Se ela precisa ser enganada ira atrás do engano e acreditará que está no caminho certo. Acreditará que o engano é a verdade.

    Os rituais funcionam. A magia funciona. Tudo funciona porque Deus permite, pois aqueles que escolhem as trevas ficarão embaixo da mesma. Deus permite o entendimento nos sábios, para que estes sejam enganados pela operação do erro.

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Comente usando a sua conta Google ou use a outra aba e comente com o perfil do Facebook

emo-but-icon

Página inicial item