681818171876702
Loading...

A mentira do Natal

Giuliano Barcelos

Sei que o título parece forte, e o é! A intenção é exatamente chamar sua atenção para o que será exposto abaixo.

Faz parte da cultura de praticamente todos os povos (chineses e judeus são algumas das exceções) comemorar o Natal, o dia do nascimento de Cristo.

O dia do Natal

Em primeiro lugar, a data mais improvável para Jesus ter nascido é 25 de dezembro. Nesta data é inverno no hemisfério norte, é frio. Dificilmente haveriam pastores de madrugada fora de um abrigo e nenhum governante convocaria um alistamento onde a possibilidade de diversos judeus morrerem de frio e com isto diminuir o recolhimento de imposto pudesse ocorrer.

O dia do Natal vem do paganismo, da comemoração do nascimento do deus Sol Invencível (Natalis Solis Invictus, daí o nome Natal). Como a Igreja Católica não conseguia a conversão dos pagãos romanos, teve a “brilhante idéia” de incorporar esta comemoração pagã ao seu calendário para assim agradar os pagãos e tentar trazê-los à sua religião. A ceia de Natal nada mais é que o banquete servido em honra ao deus Sol Invicto.

E qual seria o período mais provável que Jesus nasceu? Façamos uma análise bíblica dos fatos:

- Os levitas eram divididos em 24 turnos [Ex 12:1-2; 13:4]; [Dt 16:1].

- O 1º mês do ano, Abide (mais ou menos nosso abril), tinha os turnos 1 e 2; o 2o mês (mais ou menos maio) tinha os turnos 3 e 4; etc.

- O 8º turno pertencia a Abias [1Cr 24:10], portanto este turno caia no final do 4º mês judaico, Tamuz (mais ou menos junho).

- Zacarias era sacerdote e ministrava no templo durante o turno de Abias [Lc 1:5,8,9].

- Terminado o seu turno, voltou para casa e sua esposa Isabel concebeu João [Lc 1:23-24] no final do mês Tamuz (mais ou menos junho) ou início do mês Abe (mais ou menos julho).

- Jesus foi concebido 6 meses depois [Lc 1:24-38], no fim de Tebete (mais ou menos dezembro) ou início de Sebate (mais ou menos janeiro).

- 9 meses depois, no final de Etenim (mais ou menos setembro), mês em que os judeus comemoravam a Festa dos Tabernáculos. João 1:14 diz: E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. A tradução literal de habitou, do grego é tabernaculou, uma referência direta à Festa dos Tabernáculos.

Os 3 reis magos

A Bíblia nos relata em [Mt 2:1-12] que uns magos vieram do oriente trazidos por uma estrela. Em nenhum lugar fala que eram três e muito menos que eram reis ou que seus nomes eram Baltazar, Belchior e Gaspar.

A visita dos magos não se deu ao lado da manjedoura, como o presépio quer nos mostrar, mas sim na casa de José e Maria, conforme [Mt 2:9-12]. A visita dos magos pode ter ocorrido com Jesus próximo da idade de dois anos, visto que os magos enganaram a Herodes pela revelação de Deus e este mandou matar todas as crianças com dois anos ou menos, conforme [Mt 2:16].

Papai Noel

Esta história é, sem dúvida, uma das maiores mentiras que perpetuam no mundo.

Todos sabemos que Papai Noel não existe, portanto dizer que ele existe é contar uma mentira. O fato aqui é muito sério na vida de um cristão, pois sabemos que o pai da mentira é o diabo [Jo 8:44] e que não importa se a mentira é “boa” ou “inocente”, pois uma mentira é sempre uma mentira. Talvez alguém possa se perguntar o que tem de errado em falar que o Papai Noel existe. A questão é que ao fazer isto, o cristão mente, peca e fica separado de Deus.

A figura do Papai Noel faz, de certa forma, uma analogia com o próprio diabo, pois o Pastor entra pela porta e o ladrão e salteador sobe por outra parte [Jo 10:1-2].

E agora, o que fazer?

O procedimento correto é, em primeiro lugar, arrepender-se e pedir perdão a Deus caso tenha mentido para seus filhos ou qualquer outra pessoa e ensinar o que é o correto, a verdade, que Papai Noel não existe. Agindo assim estaremos novamente em harmonia com o Senhor Jesus e não estaremos lançando maldição sobre a vida de nossos filhos, ao permitir a ação do maligno a partir da mentira e nem dando chances para que sejamos acusados até mesmo por nossos próprios filhos de sermos mentirosos.


Giuliano Barcelos enviou esta artigo para o Genizah
natal 3364828703515584981

Postar um comentário

  1. Caro Giuliano Barcelos,

    acho que seu artigo nasce de certa informação errada e preconceitos evangélicos, por isso gostaria de esclarecer alguns aspetos que você menciona com animo de que você possa entender outro ponto de vista.

    Se analisamos as diversas liturgias reformadas e cristãs que falam do 25 de Dezembro, falam que este dia é quando a Igreja celebra o nascimento de Jesus. A palavra "celebra" é chave para entender de que a igreja celebra o nascimento, não está dizendo quando foi.

    Isto se pode comprar a quando um bebe abandonado é encontrado. Neguem sabem o dia exato do seu nascimento, mas ele tem uma data para celebrar o seu nascimento.

    Por certo, não foi a Igreja Católica Romana quem decidiu esta data. Foi a igreja universal. Naquele tempo, só existia uma denominação. Clemente de Alexandria já menciona a celebração do nascimento de Jesus. E, sabemos, que já existia celebrações no século III neste dia.

    O uso de datas pagas é muito interessante. O cristão moderno tem problema com isso, porque vemos a obra de Jesus, como uma salvação individualista. MAS isto não era o entendimento da igreja primitiva. Eles entendiam que Cristo era o Rei sobre todas as coisas, e as cosias velhas haviam passado e uma nova era estava começando. Portanto, usavam redimiam antigas datas para que agora fossem para a gloria de Deus. Isto também inclui o ano 2011 depois de Cristo.

    Respeito os 3 Reis Magos, acho que é importante entender que esta é uma história para crianças. Um jeito de contar a história de Cristo para as crianças daquele tempo, quando nem todos podiam ter uma Bíblia em casa.

    Hoje, temos mais de uma Bíblia em casa, mas muitos preferem ver a novela. Este é ao meu parecer um problema mais sérios para a Igreja do Brasil.

    Certamente, não sabemos quantos eram, talvez eram 3 ou 50. Isto não é importante. Bem, isto é importante par aos Testemunhos de Jeová e os Mórmons. Por certo, em Armênia se fala de 12 e em Rússia se fala de 4.

    Se falam de três reis magos, que nem eram três nem reis. Simplesmente, é porque Mateus fala de três presentes. Ao mesmo tempo, cada um deles representavam as diversas culturas conhecidas naquele tempo, porque um era branco, outro de cabelo roxo e o terceiro negro. De esta forma, representavam todas as culturas adorando a Jesus, o Rei de Reis e Senhor de Senhores.

    Sem duvida, podemos conversar sobre estas questões, mas é engraçado como estamos permitindo a entrada nas igrejas de costumes tão seculares como “o dia da mãe” ou “o dia da pátria”, mas temos problemas de celebrar os eventos da vida do nosso Senhor, Jesus Cristo.

    Inclusive, celebramos os nossos aniversários todo pelo alto. Ou a formatura dos nossos filhos... mas porque não fazer o mesmo com quem deu a vida por nós e nossa salvação.

    Alguma cosia deu de errada na Igreja.

    Sinceramente, acho que precisamos entender os motivos que levaram os primeiros cristãos a estabelecer certas costumes que não são contrarias as Escrituras. Precisamos, recuperar o seu sentido original e celebrar a vida de Cristo, nosso Senhor e Salvador.

    Em Cristo, Josep

    ResponderExcluir
  2. Concordo com muitas coisas desse texto, em especial a questão de não mentir para os filhos, mas as informações estão colocadas de forma parcial e tendenciosa.
    Definição de paganismo, oq é paganismo? Creio q a melhor definição é a de Paulo: "Adorar e servir a criatura no lugar do Criador" (Rm 1:25). Creio q há uma distinção entre paganismo e cultura dos povos pagãos. Tipo a páscoa judaica foi tbm enriquecida com costumes babilônicos, mas não se tornou pagã, pq era para o Deus verdadeiro. O conceito de logos adotado por João é tem sua origem na cultura pagã, e por ai vai.
    Outra questão é definição de igreja católica em antagonismo com protestantismo. A igreja católica da época citada era a igreja cristã, a igreja desenvolver seu calendário de comemorações nos primeiros séculos. A razão da escolha do dia 25 é controversa, a opinião mais popular é q igreja escolheu essa data p demonstrar a superioridade de Jesus sobre o culto pagão.
    Dizer que a ceia do natal de hoje é um banquete ao Deus sol é brincadeira, se não fosse textos como esse mts pessoas nem saberiam que o sol foi cultuado como um Deus.

    Paz e bem..

    ResponderExcluir
  3. essa eu já sabia, até pensei em escrever algo sobre isso, mas fico feliz que tenha saído no Genizah, pelo alcance de leitores.

    [ ]s

    wally.

    ResponderExcluir
  4. Que diferença faz a data do Natal? Se não se sabe o dia certo, importa ter-se um dia para comemorar.

    E não aguento mais essa baboseira de que 25 de dezembro é uma data pagã. Se formos tirar do cristianismo todas as coisas precedidas no paganismo, teremos que começar tirando o batismo e a Santa Ceia, preconizados em rituais semelhantes muito antes de Jesus por povos pagãos. Se quisermos viver sem mito, lendas e fantasias deveremos, também, retirar de nossa fé todos os hebraísmos, parábolas e simbologias contidas nas Escrituras

    A propósito, a relutância ao mito papai Noel e a fissura em dizer que ele não existe é uma questão apologética ou seria apenas uma forma de se eximir do compromisso cristão de fazer o bem aos mais carentes, como fazia o padre Saint Claus?

    Danilo, este tipo de artigo só põe em questionamento a inteligência de seus leitores, pelo que me sinto insultado. Além do mais o Sr. Giuliano não é autor do texto e peca em assinar como tal e não citar as devidas fontes.

    Em Cristo,

    Revdo. Julio

    ResponderExcluir
  5. Li o texto e confesso que fiquei preocupada..Como já disse aqui uma vez, volto a repetir..Acho que as pessoas estão dando muito valor ao demônio..

    Acham que tudo no mundo procede dele..Cantar parabéns pra vc é pecado..fazer aquilo outro é pecado..

    Dar maior destaque ao "bom velhinho" do que a Jesus claro que não é o correto. Mas dizer que o de vermelho é a própria encarnação do chifrudo já é demais pra minha pobre cabeça!

    Acho que este blog vai acabar perdendo sua identidade. Os blogueiros não estão seguindo o mesmo rumo e isso tumultua tudo..É uma pena, pois não começo meu dia sem santes dar uma passadinha por aqui..

    Volta logo, Danilo!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Sugiro que o Sr. Giuliano leia a matéria publicada pelo Hermes, que por sinal está muito melhor!!!

    http://www.genizahvirtual.com/2010/12/porque-fiz-as-pazes-com-o-papai-noel.html

    ResponderExcluir
  7. Excelente artigo.

    Com artigos assim eu me sinto de fato um protestante, pois foi para isso que os Cristaos protestantes foram levantados , para desfazer as mentiras de roma e do diabo.
    A Igreja evangelica Tupiniquim ao inves de protestar contra esses valoes mentirosos e malignos do natal, faz justamente o jogo das trevas colocando ate em seus pulbitos arvores e bolinhas de natal. Falta de discernimento e sabedoria, com certeza.
    Parabens, mais uma vez, por esse belo artigo.

    Pastor Caleb.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom, concordo, mas e aí? O que vamos pôr no lugar? A festa dos Tabernáculos? Ou não devemos comemorar o maior nascimento da história?

    ResponderExcluir
  9. Não entendi.
    Se Jesus foi concebido 6 meses depois [Lc 1:24-38], no fim de Tebete (mais ou menos dezembro) ou início de Sebate (mais ou menos janeiro), como afirmar que a data 25/12 é a mais improvavel do Seu nascimento?
    Alguma contagem errada aí, certo?

    ResponderExcluir
  10. Giuliano Barcelos,

    Em oposição ao seu discurso de crente raivoso, deixo aqui uma mensagem de nosso papa Bento XVI:

    «Salvator noster natus est in mundo»

    «Hoje nasceu o nosso Salvador»! Esta noite, uma vez mais, escutámos em nossas Igrejas este anúncio que, apesar do transcurso dos séculos, mantém inalterado o seu fulgor. É anúncio celestial que convida a não temer porque se manifestou «uma grande alegria que será para todo o povo» (Lc 2,10). É anúncio de esperança porque dá a conhecer que, naquela noite de mais de dois mil anos, «na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Cristo Senhor» (Lc 2,11). Então, aos pastores acampados sobre as colinas de Belém e, hoje a nós, habitantes de todo este nosso mundo, o Anjo do Natal repete: "Nasceu-vos hoje o Salvador; nasceu para vós! Vinde, vinde para adorá-Lo!".

    (...)

    Parece, mas não é assim. Nesta época de abundância e de consumo desenfreado, ainda se morre de fome e de sede, de doença e de pobreza. Ainda existe quem é servo, explorado e ofendido na sua dignidade; quem é vítima do ódio racial e religioso, e é impedido, por intolerâncias e discriminações, por intromissões políticas e coerções físicas e morais, de professar livremente a própria fé. Há quem vê o próprio corpo e dos seus seres queridos, especialmente crianças, destroçado pelo uso das armas, pelo terrorismo e por todo o tipo de violência numa época em que se invoca e proclama o progresso, a solidariedade e a paz para todos. Ou mais, que dizer daquele que, privado de esperança, é obrigado a deixar a própria casa e a pátria para encontrar noutra parte condições de vida dignas para o homem? Que fazer para ajudar quem é enganado pelos falsos profetas de felicidade, quem é frágil nas relações e incapaz de assumir responsabilidades estáveis para o próprio presente e para o futuro, encontra-se percorrendo o túnel da solidão e, com freqüência, termina escravo do álcool e da droga? Que pensar de quem escolhe a morte pensando de exaltar a vida?

    Como não pensar que, mesmo do fundo desta humanidade satisfeita e desesperada, levanta-se um clamor aflitivo de ajuda? É Natal: hoje entra no mundo «a luz verdadeira, que todo o homem ilumina» (Jo 1,9). «O Verbo fez-Se carne e habitou entre nós» (Ib. 1,14), proclama João evangelista. Hoje, precisamente hoje, Cristo vem novamente «entre os Seus» e a quem o recebe dá «o poder de se tornar filho de Deus»; ou seja, oferece a possibilidade de ver a glória divina e de compartilhar a alegria do Amor, que em Belém fez-se carne por nós. Hoje mesmo, "o nosso Salvador nasceu no mundo", porque sabe que precisamos d’Ele. Não obstante as numerosas formas de progresso, o ser humano permaneceu igual ao de sempre: uma liberdade dividida entre bem e mal, entre vida e morte. É precisamente ali, no seu íntimo, naquilo que a Bíblia chama de "coração", donde ele tem sempre necessidade de ser "salvo". E, talvez, na época atual pós-moderna, tem ainda mais necessidade de um Salvador, porque a sociedade em que vive tornou-se ainda mais complexa, e mais enganosas tornaram-se as ameaças para a sua integridade pessoal e moral. Quem pode defendê-lo senão Aquele que o ama, a ponto de sacrificar na cruz o seu Filho unigênito como Salvador do mundo?

    (...)

    "Salvator noster": esta é a nossa esperança; este é o anúncio que a Igreja faz ressoar também neste Natal. Com a Encarnação, lembra o Concílio Vaticano II, o Filho de Deus uniu-se de certa forma a cada homem (cf. Gaudium et spes, 22). O Natal é, pois, também o natal do corpo, como observava o Pontífice São Leão Magno. Em Belém nasceu o povo cristão, corpo místico de Cristo no qual cada membro está unido intimamente ao outro por uma total solidariedade. O nosso Salvador nasceu para todos. Devemos proclamá-lo não somente com palavras, mas também com toda a nossa vida, dando ao mundo o testemunho de comunidades unidas e abertas, nas quais reina a fraternidade e o perdão, a acolhida e o serviço recíproco, a verdade, a justiça e o amor.

    ...

    Anônimo católico.

    ResponderExcluir
  11. Meu mano!
    Concordo com o que disse.
    Contudo, tenho uma observação a fazer.
    O mundo jaz no maligno.
    Quase tudo o que existe ao nosso derredor é de origem pagã. E se ficarmos a procurar a origem pagã de tudo, vamos virar caçadores de demônios e acabaremos neuróticos achando diabo em tudo.
    Tudo é puro para os puros e tudo é impuro para os impuros. Para mim tudo é Graça de Deus.
    O Papai Noel é um folclore infantil e a árvore de natal é um lindo enfeite. No mais, vivo tendo paz com todos e vendo Deus em tudo pois todas as coisas foram feitas Nele e por Ele e para Ele...
    A paz!!!

    ResponderExcluir
  12. Não gostei muito deste post. Achei interessante o assunto,mas a abordagem deixou um pouco a desejar.
    Assim, dizer que o jantar de NATAL é em homenagem a "num sei quem" acho forçação de barra. Quando reúno-me com a família, nos lembramos que o Verbo Tabernaculou e isso nos trouxe comunhão com Deus e nos faz expressar amor entre os homens.
    Quanto ao Papai Noel, eu não sou fã, achoque é algo dotado do pior demônio deste século, o consumismo. Mas daí, dizer que o Papai Noel é uma versão do Capiroto já é demais. N]ao devemos demonizar tudo, nem sacralizar também.

    Enfim, acho que o erro no Natal é dá ênfase aos presentes e não ao momento triunfal da história, o verbo humilhando-se á figura de um bebê que necessitava do seio de uma camponesa e de fraldas. terrível também é a febre das roupas novas ao invés de buscar-mos as "novas vestes" que o Cordeiro de Deus quer nos dá!

    Nilton Júnior
    Natal-RN.

    ResponderExcluir
  13. Só pelo fato do natal ser uma data que consegue UNIR A FAMÍLIA nesse tempo de caos, para mim, ele já merece ser comemorado.

    O sangue de Jesus já nos lavou e libertou de toda maldição do passado.

    ResponderExcluir
  14. Já fomos libertos pelo sangue de Jesus e é uma pena que algumas pessoas vivam em torno de satanás..

    Festa pagã ou não, é somente no Natal que consigo reunir toda minha família à mesa. oramos e louvamos aquele que nos libertou..

    Não importa se ele nasceu no dia 25/12 ou 04/04..Importa é que Ele nasceu e morreu por nós..

    Estou preocupada comos artigos que estão sendo publicados aqui..Eles demonstram ódio e isso não é nada bom..

    Danilo, Hermes, estou com saudades daquele blog que vcs criaram..Vcs precisam filtrar mais o que seus colaboradores estão postando por aqui!!!!!É estranho ler um artigo em que o Hermes escreve tão bem sobre as suas "pazes" com o Noel e agora lemos esse monte de baboseiras publicadas pelo Giuliano(e autoria nem é dele!!!)Se jogarem na busca, esse triste texto aparecerá um monte de vezes!!!

    Tem muitas mãos batendo esse bolo e vai acabar solando!!!

    Graça e Paz.

    ResponderExcluir
  15. Bom,no cristianismo boa parte dos ritos são pagãos,o casamento,ceia,apresentar crianças,etc..nao vi muita novidade e como alguns disseram tra meio sem conteudo..o papai noel mesmo faltou explicar que é inspirado em ''são nicolau''que por sinal foi um bom homem,ao contrario de muito lideres..é fica o meu recado..

    ResponderExcluir
  16. Quem acha que Papai Noel é uma figura inofensiva não sabe que ele se assenta nos rituais da maçonaria completamente caracterizado.

    ResponderExcluir
  17. Amo o natal,é uma époça que me lembro $empre $endo feli$,por favor evangéliço$ ñ vejam demonio$ onde ainda re$i$te bravamente a ternura,nenhuma çriança açredita em papai noel depoi$ de 8 ano$ mai$,$onhar fa de nó$ adulto$ mai$ feli$e$.
    teçlado çom defeito

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Comente usando a sua conta Google ou use a outra aba e comente com o perfil do Facebook

emo-but-icon

Página inicial item