681818171876702
Loading...

Deus “operou” ?



Rubinho Pirola


“…e não guardaram os seus estatutos, antes se deixaram enganar por suas próprias mentiras” (Amós 2:4).



- Houve arrepios?

- Tremeu o chão?

- Houve choro?

- Não?

- Então Deus não “operou”.



O louvor é fraco, o pregador, sem unção, a igreja, fria,… o culto não foi bom.

Será? Quais os “sinais” pelos quais a igreja espera dos céus para crer?

Já não basta a fé, crermos mesmo no que Deus fala e falou, no que nos trouxe pela Palavra. Temos de ter “testificação”, documentada em três vias assinadas e com selo governamental das nossas emoções (e o da congregação) para crermos.

Ando meditando sobre a alma, sobre o poder dessa carne, de querer reger não só a minha própria vida, como a vida dos crentes e dos serviços religiosos em toda a parte.

E a coisa não é simples de ser vista e, nisso, todos estão incluídos: pentecostais, carismáticos ou "históricos".

Pois há a tendência dos crentes - muitos até “tradicionais”, reformados e outros de herança mais, digamos, “comportada e comedida” nos atos litúrgicos e religiosos. Ninguém, a rigor está a salvo. Pois imagina-se que, no silêncio de algumas salas de cultos – é mais fácil escondermo-nos e os nossos pensamentos e corações distantes de Deus e frios da sua presença, na quietude e reverência desses cultos.

A linha que separa alma, emoções, pensamentos e a nossa cultura arraigada tecida longe de Deus, do espírito, do nosso homem novo criado em Deus é muito ténue e só pode ser divisada pela Palavra e ação do Espírito Santo.

Tem horas que penso que o extraordinário (e não o sobrenatural!) pelo qual a igreja procura tem mais a ver com a nossa falta de fé e desejo de convertemo-nos a nós mesmos pelo que se vê, toca e sente, do que propriamente para revelar ao mundo a presença de Deus. Pede-se por curas, milagres e, desconfio que já nem é tanto por amor e misericórdia pelo enfermo, como para provar para si mesmo – o crente – que Deus existe, age e, o que é pior, pode ser comandado por nós, a criatura. Afinal, não é para isso que servem a maioria dos cultos televisivos e da mídia em geral?

São mezinhas, técnicas, truques e “simpatias teológicas” para fazer Deus fazer o que e na hora, o que desejamos?...

A alma quer ditar e até dominar a nossa vida de comunhão com Deus, os nossos devocionais, desde sempre. E tomar a primazia de Deus em nós mesmos. Lá no profundo.

Se não há “tema musical”, uma música de fundo… então não há “presença de Deus”, ou o “sentirmos Deus”. Não há a presença de Deus porque… não “pintou o clima”.

Queremos viver a vida cristã com a alma no comando, não fazendo com que ela acompanhe ou reverbere o “mover” de Deus, mas indo à frente, achando que ela pode fazer mover Deus. Se sinto, se tremo, se arrepio, então Deus está presente.

E por ai, julgamos os cultos, as pregações, os “louvores” - pela quantidade de gente que chorou, pelo número dos que “caíram”… pelas emoções que provocou.

Culto bom, já não são os emocionantes, com louvor a usar letras inspiradas e bíblicas, pregações com exegese rigorosa e bíblica; mas os emocionais, os que são acompanhados pelos “choros de berçário”, onde todos choram porque um chorou antes. Onde fala-se mais do homem, do que é terreno, do que aquilo que é divino.

Deus tocou-me, não porque sinto, mas porque creio pela Palavra, que diz que Ele fê-lo. Porque afinal, vou até Deus com inteira certeza de fé, e não pela instabilidade das minhas emoções. Vou até Ele pelo vivo e novo caminho, isto é, pelo sangue de Jesus, que não vejo, não toco, mas creio que foi derramado por mim. Vou até Ele por fé, pelo firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem e não pelo que sinto, vejo, toco ou experimento na carne.

Estando a pensar nisso tudo, lembrei-me do sábio conselho de Gamaliel, em Atos 5:38, que sugeriu certa vez: “… deixai-os, porque, se este conselho ou esta obra é de homens, ela, por si só se desfará”. Assim, se houve algo no meio de nós, na minha vida, seja qual foi a experiência, no nosso culto, ou nos nossos atos solenes ou mais intimistas… esperemos pela Segunda feira.

Se foi de Deus, vai provocar mudanças, vai trazer frutos.

Se foi de Deus, foi sobrenatural – como o é, algum “vida torta” como eu, manifestar (contrariamente o que seria natural supor, ou naturalmente capaz de acontecer), o carácter de Cristo visto em mim, se não foi, terá sido apenas algo estraordinário, “show evangélico” ou apenas, “coreografia religiosa", dessas para fariseu ver. E "crer".





Rubinho Pirola é reu confesso em Genizah




Apologética 3027414187790069128

Postar um comentário

  1. olá..vim te oferecer o premio estatua de ouro e desejar uma semana abençoada e muito feliz

    ResponderExcluir
  2. A Igreja virou um verdadeiro circo.
    Uma hora entram as dançarinas.
    Em seguida vêm os puladores e saltadores.
    E por fim entram os mágicos para divertir o povo.
    Não quero generalizar, mas a espera de um 'sobrenatural' toda vez que tem culto só demonstra e reforça a tese de que cada vez se tem menos fé.

    Tenho percebido que é preciso VER para CRER, ao contrário do que ensinou o nosso Senhor: "Bem-aventurados aqueles que não viram e creram"; e eu estendo esse versículo a tudo o que fazemos.

    Penso que quanto menos demonstração de poder, de sobrenatural, mais preciso de fé para crer. De fato os milagres e manifestações sobrenaturais nos ajudam a fortalecer a fé, porém, em excesso, penso que banalizam a própria fé. Vira um verdadeiro show.

    ResponderExcluir
  3. Se a presença de Deus for todas as vezes um arrepiar de pêlos cutâneos, uma instigação de produção lagrimal, um estremecer osséo, e outras coisas de semelhante natureza:Saiba acabou-se o culto racional (gr.logikos)o culto que usa a razão...reverberada pelo homo pneumatikos, o homem espiritual...rsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Quando eu via muitos "moveres" ao vivo, gente chorando, gemendo, caindo, pulando, rindo, vomitando, contorcendo-se, pensava: porque será que essas pessoas não fazem o mesmo quando estão sozinhas, em casa, no quarto, ou em secreto com Deus?

    Nessa época eu morava em uma base missionária, e lá era possível ver, nos cultos mais 'animados', nossos amigos que faziam todas as performances citadas acima! Porém, nos momentos de meditação, leitura bíblica individual, nada acontecia!

    Eu me perguntava: -se eles dizem que toda aquela manifestação é por causa da presença de Deus, onde é que Ele vai no momento de meditação individual?

    E mais: na "segunda-feira", após o "show", nada mudava: o mentiroso continuava mentindo, quem furtava continuava furtando, o orgulhoso continuava caminhando com o nariz pra cima e por aí vai...

    Não é brincadeira não! Levei muito soco na barriga pra cair no chão, muito empurrão na testa... Mas o que me mudou e ainda me muda todos os dias é a fé, a palavra, a graça maravilhosa, Jesus Cristo e a glória de Deus... Lá no quarto, em secreto do jeito que Jesus sugeriu!

    Quem chama muita atenção para si já recebeu a sua recompensa: conseguiu chamar a atenção!

    Prefiro ficar com o Pai, em secreto!

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. Olá Danilo!!!

    Claro que pode contar comigo sim!!!
    Fique avontade para divulgar o blog!!!!!

    A paz!!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá amigos!

    Obrigado pelo comentário. E pela franqueza da confissão do Guilherme. E ele tem razão: ainda é no secreto, que encontramos-nos mesmo com o Pai. É lá onde, não tendo outro além Dele, não se pode fingir - nem vale a aparencia de religiosidade, nem esconder-Lhe a dor.
    Que nenhum de nós deixe esse privilégio. Ali, no secreto, é que o nosso "mexer" vale nada e Deus é tudo.
    Debaixo dos holofotes, é um perigo.

    Abração, Mario, Blog tester e Guilherme.

    ResponderExcluir
  7. Nada como começar a semana lendo um texto como este. Obrigado, Rubinho, por nos tirar o sossego, e nos fazer refletir.

    Já imaginou a pressão que muitos pastores sofrem ao subir ao púlpito. Acabam caindo na armadilha em que caiu Arão, enquanto Moisés estava no monte. Dão ao povo aquilo que o povo pede. Querem arrepios? Então, toma! Querem extravagância? Toma!
    Em vez de preocupar-se apenas em pregar a Palavra, os pastores acabam cedendo a este espírito, e sobre ao púlpito para entreter o rebanho, levando-o a cultivar uma falsa percepção da presença de Deus.
    Não precisamos de fundos musicais melodramáticos, nem de técnicas para levar as pessoas à histeria. Precisamos, sim, de pregação da Palavra. Que Deus tenha misericórdia desta geração de pregadores/showmen.

    ResponderExcluir
  8. Ótimo texto e no dia certo, com certeza ontem muitos fizeram acrobacias para Jesus e perderam a chance de receber Seu abraço.
    Como uma boa pentecostal,tenho que dizer que existem muitas igrejas que fazem verdadeiros espetáculos e de péssima qualidade para agradar o público pagante, Jesus? Ele que se adeque, pois Ele nos ama e nos entende.

    Saí da igreja onde reconheci a graça de Deus por causa desses cultos onde Deus operava sempre da mesma maneira estravagante, e quem não entra no reteté é mal visto. Como diria o Marco: "Crente que não faz barulho tá com defeito de fabricação..."
    Eu me culpava, me achava incrédula, sofria com medo do deus de lá, pois ele havia de me castigar por ser tão fria.
    Mas A Palavra nos limpa, nos liberta, dá vista aos cegos, e eu vi que o problema não era eu.
    Obrigada Senhor.

    ResponderExcluir
  9. Amigo, estou plenamente de acordo com a sua reflexão. É interessante como esses seres auto-denominados 'espirituais' necessitam mais e mais de 'manifestações' sobrenaturais. Na verdade considero o oposto, ao invés de espirituais são profundamente carnais. Não conseguem crer naquele "que não veem". Falta-lhes a genuína fé. Necessitam se convencer da onipotência d'Ele através de atos humanos. Ou seja, uma onipotência manca, claudicante; um deus que não é "O" Deus. Eles querem mais do que sentir, precisam ver! Temo, com quase certeza, que esse deus não lhes dará a resposta que precisam, nem lhes socorrerá no momento final (meu blog: ricardomamedes.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  10. Não pude deixar lembrar desta história velha:
    Bêbado passando em frente a Igrêja Pentecostal, e ouve a típica barulheira carismática. Pergunta, ao diácono de plantão:
    - Rapá! Que zuada é essa?
    - Ah irmão! É Jesus operando...
    - Mas é sem anestesia, é?

    As vezes, os "bebuns" são mais lucídos que nós...

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pelo texto, e por verbalizar aquilo que o Espírito Santo já falava comigo atavés da palavra.. Bom saber que não estou sozinho e que não é por que a maioria segue tal coisa, que isso seja o correto. "Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, SE vos amardes uns aos outros". Esta é a verdadeira diferença de um cristão autêntico. o AMOR.

    ResponderExcluir
  12. Rubinho!

    Matou o doente e mostrou o bisturi! kkkk

    ResponderExcluir
  13. Rubinho Pirola, a gravura ficou excelente, um dos melhores exemplos do surrealismo da atualidade.

    Dentro da atualidade cristã, então é gritante, pois é a praxis dentro da maioria das grandes igrejas, aqui no Brasil.

    O pastor usar o famoso cajado de Moisés, ou a vara de Arão, cada um com seu discurso,como a a varinha da magia do mago pastor apresentador da noite.

    Que vai retirar magicamente de dentro da "briba", do livro aberto a solução de todos os problemas do povo da igreja. Ele começa retirando o coelhinho da páscoa, para mostrar ao povo o quanto ele está cheio da unção.

    ResponderExcluir
  14. Amigos, eu tenho repetido várias vezes, o que os crentes querem hoje é o EXTRAORDINÁRIO. SOBRENATURAL é a ação de Deus, fazendo dessa gentinha (nós, cada um de nós) algo útil e para a sua glória. Pensando se o Espírito agindo, estão a ver o que a carne é capaz! O "treme-terra", os "arrupeios" é uma coisa, o agir de Deus numa criatura capacitando-o a parecer-se com Ele, é completamente outra - e sobre a natureza carnal, animal, terrena e demoníaca. A primeira, qualquer bom orador faz, a segunda, só a cruz de Cristo e o poder do Espírito Santo.
    Acordemos.

    ResponderExcluir
  15. Olá Rubinho. Já cheguei a ouvir "Se não cair é porque não é de Deus"... essa ouvi eu pessoalmente.. e muitos outros disparates do género.
    Mas o teu texto leva-me a pensar é na(s) palavra(s) "intima compaixão" era isso que fazia Jesus «mexer»... essa vontade interior, que brotava de algo extremo e interno, para com o objecto da necessidade e não para com o ego próprio. "Sentindo intima compaixão", é algo arrebatador. Era isso que nos deveria fazer «mexer» também.

    ResponderExcluir
  16. Amigo Rubinho Pirola, abusei do seu texto "Deus operou" também em meu blog. Como as coisas entre aqueles que se dizem cristãos devem ser claras também incluí o autor, o que o coloca em situação de cúmplice em um segundo blog, e indiquei também o endereço de onde tirei o texto. Como meu blog tem um tom mais formal fiz um comentário acerca do fato deste blog ser mais descontraído mas assim mesmo interessante. Se quiser ver como ficou passe por lá. Se quiser passar deixe um 'olá' ok? Abraços Ana Elisa Pires

    ResponderExcluir
  17. Nossas igrejas precisam de textos como este, que chacoalhem a todos nós. Não podemos continuar tapando o sol com a peneira, fingindo que tudo está lindo e maravilhoso. Creio que o autor pode muito bem fazer dele as palavras do escritor bíblico: "Rogo-vos, porém, irmãos, que suporteis a palavra desta exortação; porque abreviadamente vos escrevi" (Hebreus 13:22).

    ResponderExcluir
  18. O culto racional a que Paulo se refere em Rm 12.1 não tem nada a ver com atos "litúrgicos" limitados ao tempo que os crentes ficam reunidos em determinado lugar, com o estrépito de seus cânticos, suas orações, seus dízimos e ofertas e o ministrar e ser ministrado por pregações. Pelo contexto do próprio capítulo e do restante da carta, que é inteiramente prático até o seu final (deixando os temas teológicos focalizados até o capítulo 11), o culto racional é servir com dedicação, é viver as virtudes no dia a dia, é obedecer às autoridades e assim por diante. O Senhor Jesus deve estar amolado com uma igreja que vive a debater seus comportamentos religiosos, litúrgicos, exigentes de simbologias e sem a mínima preocupação com o culto vivido 24 horas por dia!

    ResponderExcluir
  19. Há dons espirituais, eu creio, mas não desta forma.

    Deus pode operar milagres, mas não por que você esta dançando, pulando e colocando a mão na cabeça do irmão e sim somente mediante a sua Fé em suas orações e até mesmo jejum.

    Infelizmente as igrejas estão se corrompendo cada vez mais. Algumas tradicionais estão se renovando para não perder fieis e as que permanecem em cristo estão tendo menos membros.

    As pessoas são interesseiras, vivem clamando a Deus por chuva de bençãos, mas não agradecem depois, só ficam pedindo mais e mais...

    ResponderExcluir
  20. Ótimo texto! Especialmente quando diz: "Pede-se por curas, milagres e, desconfio que já nem é tanto por amor e misericórdia pelo enfermo, como para provar para si mesmo – o crente – que Deus existe, age e, o que é pior, pode ser comandado por nós, a criatura". No final das contas acaba sendo entregue o que o povo quer, que é emoções humanas, enquanto a Palavra de Deus é deixada de lado e ninguém mais se emociona pelo fato de Deus ter vindo ao mundo igual a nós, suas criaturas, sofrendo dores inimagináveis quando de sua morte, carregando o pecado de TODOS nas costas.

    ResponderExcluir
  21. Meus irmãos. Tamanha é a loucura q invadiu as igrejas. Tão abrangente se tratando de adéptos, que as vezes vc chega a se questionar: meu Deus! O erro esta em mim? Pq eu não sinto oq o irmaum do lado diz sentir? Não tenho tua presença em mim? Pensei q o Senhor estivesse comigo ainda hoje enquanto lia e meditava na tua palavra mais cedo? Não é possivel!
    Ifelizmente, quantos não tem se sentido assim nas igrejas hoje? Um peixe fora d'agua! Mas hoje ao ler esse texto me senti um peixe n'agua, parte de um cardume. Nadando contra a correnteza, mas FELIZ!!!

    ResponderExcluir
  22. Ainda ontem, vi uma foto de um grupo de "romeiros evangélicos" às terras bíblicas (já que têm elas tanto de santa, como Quixadá, Itirapina,... Uberlândia!), depositando um pacote de bilhetes, ou pedidos de oração no topo do Monte Sinai. Já não se lembram mais, tamanha doença que lhes miopiza os olhos, que não existe lugar mais alto do que a cruz de Cristo. Mas.. enquanto não se acha a dita, no seu formato físico (louvada seja a providência que a destruiu), vão-se babando pelas pedras e lugares dessa terra. Depois querem que sejamos educados e não critiquemos... Vai-se entender isso!

    ResponderExcluir
  23. O Sentir vem do coração(extremamente enganoso Jeremias 17.9), a fé vem da razão = mente(Romanos 10:17 E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo.)
    Por esse motivo vemos cristãos(ou supostos), sendo iludidos pelos sentimentos mesmo estando dentro das igrejas, não podemos esquecer que o diabo tem trabalhado muito forte em certas igrejas(quase todas), para trazer falsas sensações de bem estar(pura ilusão), e quando vão embora se tormam debeis novamente.
    Precisamos de homens de Deus que não tenham medo de dar 'o sopapo da verdade' pois estes não tem 'rabo preso com o diabo' é preferível não ser legal, ou o pastor amigão, do que ver o diabo deitando e rolando dentro de certas igrejas.

    O Evangelista...

    ResponderExcluir
  24. Muito necessária esta reflexão. Realmente, a maioria esmagadora de "nós" deseja "sentir" Deus primeiro para depois agir conforme a sua vontade, expressa racionalmente nas Escrituras. Precisamos redescobri o significado de culto racional ou "espiritual".

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: Comente usando a sua conta Google ou use a outra aba e comente com o perfil do Facebook

emo-but-icon

Página inicial item